Visite a página de Recursos para servir com segurança para dicas e ferramentas para servir de forma segura a sua
comunidade e faça uma doação à LCIF para impulsionar o serviço dos Leões do conforto e segurança do seu lar.

Início The Lions Blog Das linhas de frente: Impedindo surtos de sarampo no Brasil
Fundação de serviços

Das linhas de frente: Impedindo surtos de sarampo no Brasil

Rachel Bridges 11 de Janeiro de 2021
Foto: Karina Zambra / OPAS

Mesmo antes da pandemia do coronavírus (COVID-19) afetar todas as nossas vidas, os casos de sarampo aumentaram para uma alta nos 23 anos em todo o mundo. Agora, por causa dos lockdowns globais ou do acesso restrito aos serviços de saúde, os programas de imunização foram desacelerados ou interrompidos completamente, colocando milhões de crianças em risco de doença e morte devido às vacinas que não tomaram.

É muito importante que todas as crianças recebam suas vacinas para prevenir outras doenças.

Com as limitações da COVID-19 e a infraestrutura de saúde limitada, os países das Américas foram atingidos de forma particularmente difícil com surtos de uma das doenças mais contagiosas que podem ser prevenidas por vacinas. Em comunidades fora de Brasília, a capital do Brasil, os surtos de sarampo tiveram um impacto negativo severo.

Em outubro de 2020, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), com um apoio generoso da Fundação de Lions Clubs International (LCIF), enviou uma equipe à área para estabelecer uma campanha emergencial de vacinação em massa para reiniciar os programas de imunização e conter a onda de casos crescentes de sarampo. Durante a campanha, que durou de 5 a 29 de outubro, mais de 11,7 milhões de pessoas foram vacinadas contra o sarampo, a caxumba e a rubéola (vacina SCR). Embora isso seja apenas 13 por cento da população-alvo, ainda é um começo significativo para fechar as lacunas na cobertura de vacinas na área.

Além do apoio financeiro de LCIF, os Leões brasileiros participaram de campanhas de mídia social para aumentar a conscientização e participação durante a campanha. Os Leões normalmente participam de uma ampla variedade de atividades de mobilização social e defesa durante as campanhas de vacinação, mas havia oportunidades limitadas de envolvimento devido à pandemia da COVID-19.

Pais como Edicarlos, que trouxe sua filha Maria para ser vacinada durante a campanha, dizem que é fundamental garantir que as crianças sejam vacinadas na hora certa, todas as vezes. Mas a pandemia limitou a capacidade deles de fazerem isso.

Edicarlos e sua filha Maria mostram sua carteira de vacinação durante uma campanha emergencial de vacinação em Brasília, Brasil.

Edicarlos e sua filha Maria mostram sua carteira de vacinação durante uma campanha emergencial de vacinação em Brasília, Brasil. Foto: Karina Zambra / OPAS

“Não viemos vacinar porque estávamos praticando distanciamento físico”, disse Edicarlos. A campanha de emergência permitiu que Maria retomasse seu calendário de vacinação. Os pais Luis Felipe e Kelen Raiane compartilharam como tem sido difícil lidar com a pandemia e ao mesmo tempo cuidar de sua filha, Helena. Ambos tiveram que continuar trabalhando durante os lockdowns para pagar o aluguel. Para proteger Helena, eles a enviaram para morar com a mãe de Kelen Raiane.

“Acho que a separação foi a parte mais difícil”, disse Kelen Raiane. “Tínhamos que fazer isso ... levá-la para um lugar onde ela ficasse protegida, mais isolada, e pudéssemos continuar trabalhando.” Mas essa separação significava que Helena não conseguia ser vacinada dentro do prazo.

Apesar desses desafios, Luis Felipe e Kelen Raiane sabiam que precisavam vacinar sua filha durante a campanha de emergência da OPAS. “Ficamos com o coração partido porque eles sofrem e choram muito, mas no fundo sabemos que é para o seu próprio bem”, disseram. “É muito importante [que todas as crianças recebam suas vacinas] para prevenir outras doenças.”

Uma enfermeira examina um registro de vacinação durante a campanha de emergência.

Uma enfermeira examina um registro de vacinação durante a campanha de emergência. Foto: Karina Zambra / OPAS

Campanhas de vacinação de emergência como esta são extremamente importantes, pois ajudam as crianças a tomar vacinas que salvam vidas, que podem ser perdidas devido à pandemia da COVID-19. As autoridades de saúde pública estão preocupadas porque, embora os dados atuais mostrem que os casos de sarampo e as mortes relacionadas ao sarampo caíram em todo o mundo em comparação com o ano passado, isso ocorre porque os sistemas de vigilância não conseguem contar as pessoas que não têm acesso aos sistemas de saúde pública.

O sarampo é frequentemente visto como o provérbio “canário na mina de carvão”, indicando rapidamente onde estão grandes populações não imunizadas porque a doença é altamente contagiosa e se espalha como um incêndio. Será imperativo para as autoridades de saúde pública permanecerem hipervigilantes na administração de campanhas de emergência onde e quando puderem. O apoio financeiro de organizações como LCIF é o que torna essas campanhas possíveis.

Mas o caminho à frente é íngreme, lacunas significativas de financiamento devem ser preenchidas para lidar com os surtos globais de sarampo. A UNICEF e a Organização Mundial da Saúde anunciaram recentemente um chamado urgente para a ação para ajudar a apoiar a resposta global ao surto de pólio e sarampo devido à COVID-19. Estima-se que US$ 255 milhões são necessários com urgência para ajudar as vacinas a chegarem às populações que faltam imunizações este ano por causa da pandemia.

Apesar dos desafios, é imperativo garantir que as vacinações cheguem a todos, em todos os lugares. Em última análise, as campanhas de vacinação de emergência, como as atividades apoiadas por LCIF no Brasil, farão a diferença para impedir a próxima crise de saúde global iminente e salvar a vida de crianças vulneráveis em todo o mundo. Devemos todos agir juntos agora para parar o sarampo, uma doença facilmente evitável com ferramentas seguras e acessíveis que já possuímos, e mais uma vez tomar conta enquanto continuamos com décadas de progresso.


Rachel Bridges é gerente sênior de defesa de causa e comunicações, Iniciativas Globais de Saúde com a Fundação das Nações Unidas.

A pandemia de coronavírus (COVID-19) impactou comunidades em todo o mundo de diferentes maneiras. Para garantir que estamos servindo com segurança onde quer que vivemos, os Leões devem seguir as diretrizes dos Centros de Controle de Doenças, da Organização Mundial da Saúde ou das autoridades locais de saúde. Visite nossa página Servindo com segurança para obter recursos que podem ajudar você a servir sua comunidade com segurança.