A saúde e a segurança dos nossos Leões, funcionários e comunidades são nossa principal prioridade.

Leia sobre a

nossa resposta

ao COVID-19.

Ajude LCIF a apoiar a assistência dos Leões doando para o

Fundo para Socorro após Catástrofes.
Início The Lions Blog Por que não me tornei Leão antes?

Por que não me tornei Leão antes?

Joan Cary Abril 23, 2020
Máscaras feitas para trabalhadores essenciais da comunidade.

Em uma primavera típica, os Leões de Vermilion Bay, no noroeste de Ontário, Canadá, estariam ocupados planejando o jantar comunitário gratuito para idosos, um popular evento anual. Mais de 100 pessoas iam ao Salão do Lions, na pequena cidade de Vermilion Bay, ao longo do Lago Eagle, com uma população 1.000 habitantes, para um jantar servido por jovens do programa de cadetes das forças armadas canadenses, bancado pelos Leões.

A profusão de apoio tem sido gratificante para todos os envolvidos.

O Salão do Lions é o maior prédio comunitário da região e também é designado como um centro de resposta a emergências, bem como de evacuação. Este era o seu nome apenas até a primavera deste ano, quando surgiu a crise do coronavírus (COVID-19), e os Leões do Vermilion transformaram o salão no Centro de Emergência para Ajuda Alimentar, muito necessário. A governadora de distrito eleita Shirley Koroniak, do Distrito Múltiplo 5M, conta que os Leões, incluindo a Companheira Leão Doris St. Jules, diretora da escola primária local Lilian Berg, começaram a se preocupar com as crianças que recebiam ajuda do programa NOW - sigla em inglês para Nutrição nos Finais de Semana - e o programa Café da Manhã para Aprender, antes do fechamento das escolas.

Com a aprovação da Unidade de Saúde do Noroeste, um dos principais financiadores dos dois programas, os Leões conseguiram direcionar o estoque de alimentos da escola para organizações locais, ajudando a atender às necessidades de escassez de alimentos. Eles também começaram a trabalhar em parceria com o posto de alimentos da região, localizado a cerca de 30 minutos na cidade de Dryden, para que os Leões pudessem pegar os cestos para as famílias e entregá-los com segurança ou mantê-los no Salão do Lions para serem retirados, reduzindo o número de pessoas que tenham que sair de casa e dirigir até Dryden semanalmente.

Atualmente, o clube atende 25 adultos e cerca de 17 crianças de 1 a 17 anos semanalmente, e Shirley prevê que o número aumente à medida que houver escassez de trabalho devido à pandemia.

"A profusão de apoio tem sido gratificante para todos os envolvidos", disse ela. “As famílias que estão recebendo apoio durante o período de crise são extremamente gratas pelos Leões da Vermilion Bay terem conseguido se mobilizar em um período tão curto para servir a comunidade”.

Lions sort items to be distributed to local food pantries

Embora muitos Leões tenham se oferecido para ajudar, o clube limitou o envolvimento a oito ou dez por causa das diretrizes de segurança e distanciamento social. Mas muitos, Leões e membros da comunidade, fizeram doações e trouxeram suprimentos de alimentos.

Ela espera que muitos dos voluntários da comunidade também decidam se associar a um dos Lions clubes da área no futuro. O quadro associativo do clube de 44 associados tem pelo menos 10 novos associados que ingressaram neste ano.

"Por que? Porque somos muito ativos”, ela conta. "Todo mundo aqui conhece o trabalho dos Leões".

Cerca de três horas ao sul de lá, em Emo, Ontário, perto da fronteira do estado de Minnesota nos EUA com o Canadá, a ex-governadora de distrito Joanne Ogden, do 5M 10, trabalha como enfermeira de saúde pública e para no caminho de casa para pegar e entregar mantimentos a oito ou dez famílias da sua pequena comunidade de 1.200 habitantes.

O Lions clube de Emo and District, um clube internacional de 60 associados, se incumbiu de um projeto comunitário. Em vez de colocar os funcionários dos supermercados em risco de contraírem a COVID-19, criaram uma página no Facebook, "COVID Delivery", onde as pessoas podem enviar uma pequena encomenda por mensagem pelo Facebook ou ligar diretamente para uma loja e pagar por telefone. Os funcionários do supermercado levam as encomendas aos voluntários Leões que estacionam do lado de fora da loja e esses fazem as entregas aos clientes.

Quando chega a uma casa, o motorista telefona para avisar que a entrega chegou e coloca a encomenda a 10 metros da porta.

“Tem sido bem legal, porque às vezes quando você deixa as compras e está conversando com alguém pela janela, mantendo distanciamento social, sabe como é, eles querem dar gorjeta. Mas você diz a eles que é isso que os Leões fazem”, disse Joanne. "É como plantar uma semente, em muitas cabeças de pessoas que provavelmente nunca teriam pensado nisso antes".

Outro projeto comunitário para o qual o clube entrou é o de quatro máscaras com filtros que estão sendo costuradas para cada trabalhador essencial das suas comunidades. Cada um receberá duas para casa e duas para o trabalho. No total, isso significa que estão sendo feitas pelo menos 2.000, Joanne contou.

“Eu fui uma dessas companheiras Leões que precisou ser arrastada aos gritos para se afiliar, alegando falta de tempo”, lembra ela, contando que foi convidada a ingressar na organização em 2010. “Então você começa a ver todo o bem que está fazendo pelo próximo. E quando você senta e ouve alguém como Brian Sheehan (2º vice-presidente internacional), você se pergunta: 'Por que não me tornei Leão antes?”

Esta história chegou até você por meio dos funcionários da Revista LION. Para mais histórias incríveis, visite lionmagazine.org.


Joan Cary é a editora assistente da Revista LION.